10
out

Resenha | Pensei que fosse verdade – Huntley Fitzpatrick

Categorias: Livros

Oi, gente!

Vamos começar essa semana linda falando sobre livros? A resenha de hoje é de um dos lançamentos mais recentes da Editora Valentina, o Pensei que fosse verdade, que vai abordar temas como escolhas, futuro, amizades, expectativas e todos os questionamentos comuns na vida de qualquer adolescente.

livro-pensei-que-fosse-verdade

Título: Pensei que fosse verdade / Autor (a): Huntley Fitzpatrick / Editora: Valentina / Páginas: 336

 Skoob: Adicione / Compre: Buscapé / Minha avaliação: ★★★★

Sinopse: A ilha de Seashell, onde passei minha vida inteira, é tudo isso e muito mais. No entanto, a única coisa que eu quero é ir embora daqui. Gwen Castle nunca quis tanto dizer adeus à sua ilha natal quanto agora: o verão em que o Maior Erro da Sua Vida, Cassidy Somers, aceita um emprego lá como faz-tudo. Ele é um garoto rico da cidade grande, e ela é filha de uma faxineira que trabalha para os veranistas da ilha. Gwen tem medo de que esse também venha a ser o seu destino, mas, justamente quando parece que ela nunca vai conseguir escapar do que aconteceu – ou da ilha –, o passado explode no presente, redefinindo os limites de sua vida. Emoções correm soltas e histórias secretas se desenrolam, enquanto Gwen passa um lindo e agitado verão lutando para conciliar o que pensou que fosse verdade – sobre o lugar onde vive, as pessoas que ama, e até ela mesma – com o que de fato é. Da aclamada autora de Minha Vida Mora ao Lado, um romance sobre um amor “impossível”, cheio de expectativas e arrependimentos, humor e… perguntas difíceis.

resenha-pensei-que-fosse-verdade-huntley-fitzpatrick

A sinopse desse livro diz praticamente tudo o que você precisa saber sobre ele. Trata-se de um young adult narrado em primeira pessoa, pelo ponto de vista da protagonista, Gwen Castle, uma garota de família humilde e que vive na ilha de Seashell. Ela é filha de uma faxineira e do dono de uma lanchonete. Os pais são separados e ela mora com a mãe, uma apaixonada por romances de época, com o avô, que está constantemente preparando peixes, com o irmão Emory, uma criança com necessidades especiais, e o primo Nic, com quem divide tudo desde a infância. Viv é a melhor amiga de Gwen e vive um relacionamento perfeito com Nic. Os três cresceram juntos, são confidentes e têm perspectivas diferentes sobre o futuro.

Gwen, como qualquer outra garota, fez escolhas erradas no passado, principalmente relacionadas a sua vida sexual. Devido à isso, ela não tem uma reputação muito boa. O fato é que entre os rapazes com quem ela se relacionou está Cass Somers, o garoto rico/lindo/educado/fofo que é o novo faz-tudo da ilha. Até boa parte do livro, não sabemos o que aconteceu com eles anteriormente, apenas que ela tem muita mágoa, embora seja inegável a enorme atração que sente por ele. E vice-versa.

Para ajudar nas despesas de casa, Gwen arranja um trabalho durante o verão como acompanhante de uma senhora muito simpática. Parece perfeito! O trabalho não é pesado e ela ainda terá algumas horas livre pra curtir o verão, mas Gwen vai ter constantes encontros com Cass, que por ser expulso de uma escola, o pai tenta fazer com que ele valorize a vida que tem e o obriga a trabalhar na equipe de manutenção da ilha.

“Eu só queria ir embora daqui para algum lugar. Algum lugar totalmente diferente.”

A nossa protagonista  lida com vários sentimentos e situações ao mesmo tempo e sua expectativa para o futuro está em sair da ilha, em busca de um futuro melhor. Seu maior medo, no entanto, é acabar como a mãe, fazendo faxinas para os donos das casas de veraneio.

livro-pensei-que-fosse-verdade

Eu demorei mais do que imaginava pra ler esse livro. Pra mim, não funcionou como uma daquelas leituras que se faz em um dia, como muitos leitores conseguem realizar. Foi mais uma leitura semanal, sabe? E acho que isso se deve ao fato de que levei muito tempo pra me apegar aos personagens e me situar na história. Além dos protagonistas Gwen e Cass, o livro também tem muitos personagens secundários (até o sofá tem nome, o Mirto, sem falar no cachorro com nome de gente, o Fábio kkk). Mas quando eu percebi quem era quem na trama, a leitura fluiu mais rápida e fui mergulhando nas histórias complementares, que são muito bem desenvolvidas. Não fica apenas no casal protagonista, aos poucos vamos descobrindo segredos, conflitos e coisas que pensávamos que era verdade.

Eu gosto muito de estórias que envolvam dramas familiares e, apesar de essa ser uma narrativa bem leve, os conflitos que acontecem no seio da família são muito reais. Gwen é uma adolescente madura para idade dela. O fato de ter que trabalhar para ajudar nas despesas de casa, além de ser responsável por cuidar do irmão menor, contribuíram para esse amadurecimento. Cass também é um cara legal, que gosta muito de Gwen. Durante o verão em que ele trabalha como faz-tudo é que os dois realmente tem a oportunidade de mostrarem um ao outro quem verdadeiramente são. Ver o relacionamento deles dando certo na base da confiança e da sinceridade é muito lindo, mas isso só acontece quando os dois estão prontos para se perdoarem e esquecerem os erros do passado.

Talvez eu tenha me calado porque não sei o que dizer. Ou talvez porque finalmente entendi que às vezes nós nos apegamos a uma coisa, uma pessoa, um ressentimento, um arrependimento, uma ideia de quem somos… porque não sabemos o que buscar em seguida. Que o que fizemos antes é o que temos que fazer de novo. Que só há recomeços e segundas chances…”

—–

pensei-que-fosse-verdade-minha-vida-mora-ao-lado

A Editora Valentina fez um trabalho primoroso na diagramação do livro. O projeto gráfico está lindo e se assemelha muito com Minha Vida mora ao Lado, que é outro título da Huntley Fitzpatrick e a próxima leitura que eu pretendo fazer. Esse foi o meu primeiro contato com a autora e, apesar te der me sentido confusa no início, gostei da forma como ela desenvolveu a personalidade dos todos os personagens, que não são perfeitos, e justamente por isso acrescentam ao livro uma boa dose de realidade. Pra quem não dispensa um young adult, Pensei que fosse verdade está recomendadíssimo!

ME ENCONTRE TAMBÉM AQUI:

Instagram ❤ Facebook ❤ Google + ❤  Pinterest ❤ Skoob ❤ Twitter ❤  YouTube

Beijos e até a próxima!

26
ago

Resenha | Obsidiana – Jennifer L. Armentrout

Categorias: Livros

Oi, gente!

A resenha literária de hoje é de Obsidiana, primeiro volume da Saga Lux, escrito por Jennifer L Armentrout e publicado aqui no Brasil pela Editora Valentina. Esse livro é um romance sobrenatural que envolve ação, perigo, amizade, perdas, romance e um alien que tem tudo para ser o seu próximo crush.

 

Resenha livro Obsidiana - Saga Lux (1)

Título: Obsidiana / Série: Saga Lux / Autor (a):  Jennifer L. Armentrout / Editora: Valentina / Páginas: 320 / Skoob: Adicione

Minha avaliação: ★★★★

Sinopse: Começar de novo é um saco.
Quando a gente se mudou para o interior, bem no início do último ano do colégio, eu já vinha me preparando para o sotaque caipira, o tédio, a internet lenta e um monte de chatices… Até dar de cara com o meu vizinho gato, alto de dar tontura e com intimidantes olhos verdes. Hummm… os prognósticos estavam melhorando.
Até que… ele abriu a boca.
Daemon é irritante. Arrogante. Dá vontade de matar. A gente não se dá bem. Não mesmo. Mas, quando um caminhão quase me transforma em panqueca, o garoto literalmente congela o tempo com um aceno de mão e aí, bom, algo inesperado acontece.
O alien gato (meu vizinho) me deixa com um rastro.
Você me ouviu bem. ALIEN! A verdade é que ele e a irmã têm uma galáxia de inimigos que querem roubar seus poderes. O rastro que deixou em mim brilha como lua cheia, e isso não é nada bom. O único jeito de sair viva dessa é ficar colada em Deamon, até a magia alienígena desaparecer.
Quer dizer, isso se eu não matar o cara primeiro.

Resenha livro Obsidiana - Saga Lux (3)

Após três anos da morte de seu pai, Katy e a mãe se mudam da Flórida para a pequena cidade de Ketterman, em West Virginia. A mãe tinha decidido que elas precisavam recomeçar longe das lembranças do passado e Katy, no auge dos seus 17 anos, agora terá que enfrentar tudo novo. Cidade nova, escola nova, amigos novos, vizinhos novos. Principalmente os estranhos vizinhos novos!

Incentivada pela mãe, que deseja que a filha deixe o computador e os livros de lado e faça novas amizades, Katy vai até a casa ao lado se apresentar e pedir que mostrem o caminho do mercado. É quando ela conhece Daemon Black, um cara com todas as características que as garotas desejam: musculoso, bronzeado, de abdômen tanquinho, olhos verdes e brilhantes, lábios grossos (totalmente beijáveis) e voz grave. Lindo! Mas mesmo com toda essa perfeição, quando Daemon abre a boca, Katy percebe que ele é o tipo de cara que ela precisa manter distância, por mostrar ser arrogante, convencido e um completo babaca.

“Daemon podia ser um gato, mas era um idiota. Um brutamontes”. Página 36

Depois de ser humilhada por Daemon, Katy encontra a irmã dele no mercado, Dee, e as duas logo tornam-se amigas. Dee é linda como o irmão gêmeo, mas muito diferente em termos de simpatia e gentileza. A amizade delas vai ficando mais forte, o que deixa Daemon aborrecido. Ele tenta distanciar as duas, alegando que é para o bem de Dee, e continua tratando Katy com indiferença.

Certo dia, Dee obriga o irmão a passar um tempo com Katy, pra tentar se desculpar pela maneira rude que ele a tratou. Daemon então é forçado a passear com a vizinha, como única condição para receber as chaves do carro de volta que estão com a irmã. Nesse período em que eles se aproximam, Daemon mostra que, por trás de toda aquela arrogância, ele também sabe ser um cara legal e, acima de tudo, está disposto a fazer tudo para proteger as pessoas que ele ama. Sem contar que eles se sentem muito atraídos um pelo outro, porém nenhum dos dois tem coragem de admitir.

“Sempre achei que as pessoas mais bonitas, bonitas de verdade, por dentro e por fora, são aquelas que não têm noção do efeito que causam.  Página 70

Após alguns acontecimentos estranhos, a nossa protagonista começa a desconfiar que o casal de irmãos esconde algo. O segredo então é revelado a ela por Daemon, depois dele salvar a sua vida de um modo sobrenatural. Daemon e Dee são aliens! Eles vieram de um planeta muito distante e agora tentam viver de forma discreta na Terra, para não chamar a atenção de seus inimigos.

O que Katy não esperava é que depois de Daemon salvar a sua vida, ele acabou deixando um rastro nela. Esse rastro é percebido pelos Arum que são inimigos dos Luxen, os “aliens do bem”. Não vou me prolongar muito aqui pra não confundir vocês, mas o que posso adiantar é que nosso casalzinho vai ter que apagar o rastro de Katy, para que todos fiquem seguros. E uma das formas de Katy apagar esse rastro é ficando o máximo de tempo perto do Daemon, o que parece impossível, já que eles não se suportam e vivem brigando, numa eterna relação de amor e ódio. OMG! Imagina no que isso vai dar…

Fazia muito tempo que eu não lia um romance sobrenatural e essa é a primeira vez que eu leio algo sobre aliens. Então nesse sentido, a leitura foi uma novidade pra mim. Obsidiana tem muito o que agradar os fãs desse gênero literário. O livro é fácil de ler e os personagens são super carismáticos. Tá bom… Talvez o Daemon não seja tanto carismático assim, mas quem liga pra isso se o cara é um gato? Haha

Mas falando sério, o que eu mais gostei na protagonista é que ela ama livros e tem um blog literário, e nesse ponto eu me identifico muito com ela. Em diversos momentos da narrativa, eu a via recebendo livros pelo correio, fazendo novas resenhas pro blog ou mesmo gravando vídeos como “Minha caixa de correio”. Eu me diverti muito com isso porque são coisas que fazem parte da rotina de boa parte de nós, né verdade?

“Subi as escadas apressadamente e liguei o notebook. Conferi a resenha que eu tinha publicado na véspera. Nenhum comentário. Odeio todo mundo. Mas ganhei cinco seguidores novos. Amo todo mundo.” Página 130

Outra característica de Katy é que ela está disposta a arriscar a própria vida para manter os amigos em segurança e, por falar em Katy, o livro é todo narrado por ela, em primeira pessoa, de uma maneira leve e divertida.

Resenha livro Obsidiana - Saga Lux (2)

Pra concluir, Obsidiana é o primeiro volume da Saga Lux e claro que eu já quero a continuação dessa história. A edição da Editora Valentina possui orelhas e a diagramação está muito boa. Só me resta recomendar essa leitura a vocês, sobretudo pra quem adora uma história do outro planeta. =)

ONDE COMPRAR:

AmazonAmericanasCulturaSaraiva – SubmarinoValentina

 

ME ENCONTRE TAMBÉM AQUI:

Instagram ❤ Facebook ❤ Google + ❤  Pinterest ❤ Skoob ❤ Twitter ❤  YouTube

08
ago

Resenha | Sem olhar para trás – Lycia Barros

Categorias: Livros

Oi, gente!

O livro resenhado hoje é nacional e conta a história de uma mulher como muitas outras brasileiras que infelizmente sofrem com a violência doméstica. Estou falando do livro Sem olhar para trás, da Lycia Barros, publicado pela Editora Valentina.

 

Resenha do Livro sem olhar para trás - Lycia barros.

Título: Sem olhar para trás / Autor (a): Lycia Barros / Editora: Valentina / Páginas: 256 / Skoob: Adicione

Minha avaliação: ★★★★

Sinopse: Muito jovem, Agatha foge de casa para viver uma grande paixão, mas o romance dos sonhos dura pouco tempo. O marido violento e possessivo é capaz de cometer qualquer loucura para mantê-la prisioneira de um casamento infeliz. Decorridos dez anos, ela vê a oportunidade de mudar seu destino ao decidir fugir com o filho para o pequeno sítio que herda numa cidade do interior. Lá, recomeça a vida envolvida em atividades muito diferentes da sua antiga rotina de luxo. Agatha se afeiçoará ao lugar e fará diversos novos amigos que a ajudarão a se reerguer, e também conhecerá Vicente, ex-campeão de equitação que se viu obrigado a abandonar a carreira. Ambos encontrarão um no outro o amor e a segurança que tanto buscavam. Entretanto, a vida de Agatha continua ameaçada. Somente a mão de Deus poderá impedir que o pior aconteça. Para isso, Agatha precisará encontrá-lO primeiro.

Livro Sem olhar para trás  - Lycia Barros (2)

Nossa protagonista é Agatha, uma mulher que fez uma escolha errada, se apaixonando ainda muito jovem por um suposto homem ideal. Bruno Albuquerque parecia ser o cara perfeito. Vindo de uma família rica e muito influente, ele tinha todas as características que uma garota sonhava: atraente, ousado, popular, sorridente e seguro de si. Totalmente apaixonada, Agatha largou a faculdade de administração e fugiu da casa de seus pais para o Rio de Janeiro, na esperança de viver feliz ao lado de Bruno.

“(…) E escolhas precisam de consequências, boas ou ruins. Uma escolha sem consequência não seria autêntica.” Página 201

Porém, não demorou muito para que Bruno demonstrasse o que ele realmente era: um homem ciumento, possessivo, arrogante e violento. Mas quando Agatha se deu conta disso, já era tarde demais. Ela sentia-se desamparada, sem família e amigos. Sua única alegria era o filho Gabriel, que logo também passou a ser alvo de ciúmes do próprio pai.

A situação se agravou numa das constantes brigas do casal, quando Bruno agrediu o filho, que se meteu na frente da mãe para que ela não apanhasse mais. Como se não bastasse o relacionamento destrutivo, as agressões e a falta de liberdade, agora a vida de Gabriel também estava em perigo. Mesmo assim, ela não tinha como fugir nem para onde ir. Até que surge uma esperança: uma tia de Agatha falece e deixa de herança uma casa para ela no interior. Diante dessa nova perspectiva, em dois dias ela arquiteta e executa um plano de fuga em busca de sua liberdade.

Em Rio Preto, Agatha e o filho recomeçam a vida. Eles contam com a ajuda de novos amigos muito prestativos e aos poucos vão se adaptando a vida simples do interior, bem diferente ao luxo que eram acostumados. Lá, eles também conhecem Vicente, o dono da única pousada da cidade e que desperta em Agatha um novo amor. O romance do casal é muito lindo e gostoso de acompanhar! Vicente também tem marcas do passado, mas está disposto a lutar por Agatha e protegê-la de tudo.

—–

“- E quais são as suas convicções a nosso respeito?

– Que eu não paro de pensar em você – admitiu ele.

– Não me pareceu tão interessado na última vez que nos vimos. 

– Acho que já está na hora de virarmos essa página.

– Antes eu virava a página, agora eu queimo o livro todo. – Ela ameaçou ir embora, mas Vicente a segurou pelo pulso.

– Este você não vai queimar.

– Só se eu tiver uma boa razão. Convença-me. (…)” Página 113

Mas mesmo cercada por bons amigos, amada por um homem maravilhoso e distante de sua antiga vida, a nossa protagonista ainda vive constantemente amedrontada. E muitas coisas ainda acontecerão para que ela se sinta realmente livre do passado. Agatha e Vicente vão precisar de muita força para ficarem juntos, e em Deus eles vão encontrar não as respostas para todo o sofrimento, mas a fé e o amor de que precisam para vencerem todas as dificuldades que enfrentam.

Livro Sem olhar para trás - Lycia Barros (1)

Achei bem interessante que no início de cada capítulo há sempre uma linda citação de alguma personalidade ou um provérbio popular. A diagramação também está linda! O título é em alto relevo e o livro possui orelhas.

Esse foi o meu primeiro contato com a autora e posso afirmar que tive uma experiência de leitura muito boa. Gostei da forma delicada de como Lycia Barros abordou um tema tão comum na nossa sociedade, mas que ao meu ver, é pouco lembrado na literatura. A narrativa em terceira pessoa parece tão real, que é como se estivéssemos lendo um relato verdadeiro de uma mulher que, assim como qualquer um de nós, fez uma escolha errada, sofreu muito, mas buscou em Deus a força necessária para recomeçar.

ONDE COMPRAR:

Compare no Buscapé ou compre diretamente pelo site da Editora Valentina

ME ENCONTRE TAMBÉM AQUI:

Instagram ❤ Facebook ❤ Google + ❤  Pinterest ❤ Skoob ❤ Twitter ❤  YouTube

Beijos!

Páginas12345

Helen Dutra - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2017