22
maio

Resenha | O livro dos espelhos – E. O. Chirovici

Categorias: Livros

Hoje vamos de O livro dos Espelhos, um dos mais recentes lançamentos publicados pela Editora Record, escrito por E. O. Chirovici e que trás um enigmático romance policial que irá te surpreender do início ao fim.

—-

Título: O livro dos espelhos / Autor: E. O. Chirovici

Editora: Record / Páginas: 322 / Skoob: Adicione

Sinopse: A verdade de um é a mentira de outro. Um livro com uma trama tão perturbadora que bota o leitor num jogo de espelhos. Quando o agente literário Peter Katz recebe por e-mail um manuscrito parcial intitulado O livro dos espelhos, ele fica intrigado. O autor, Richard Flynn, descreve seus dias em Princeton, e documenta sua relação com Joseph Wieder, um renomado psicólogo, pesquisador e professor. Convencido de que o manuscrito completo vai revelar quem assassinou Wieder em sua casa, em 1987 — um crime noticiado em todos os jornais mas que jamais foi solucionado —, Peter Katz vê aí sua chance de fechar um negócio de um milhão de dólares com uma grande editora. O único inconveniente: quando Peter vai atrás de Richard, ele o encontra à beira da morte num leito de hospital, inconsciente, e ninguém mais sabe onde está o restante do original. Determinado a ir até o fim neste projeto, Peter contrata um repórter investigativo para desenterrar o caso e reconstituir o crime. Mas o que ele desenterra é um jogo de espelhos, uma teia de verdades e mentiras, e uma trama mais complexa e elaborada que a do primeiro lugar na lista de mais vendidos dos livros de ficção. 

A estória começa com Peter recebendo o manuscrito parcial do livro com o título O livro dos Espelhos, que o deixa mais intrigado pela carta de apresentação do autor Richard Flynn. No breve manuscrito, que está dividido em três capítulos, Richard conta parte de sua trajetória do momento em que conheceu o renomado professor universitário Joseph Wieder até ao assassinato brutal e misterioso do mesmo. Richard, na época, era aluno da universidade de Princeton e aspirante a autor e acabou conhecendo o professor através de sua colega de quarto Laura Baines, que apresentou os dois e a partir daí eles criaram um vínculo, pois Joseph contratou Richard para desenvolver um projeto de reorganização de  sua biblioteca.

“A gente não sabe o que é dor até sofrer um corte tão profundo que nos permita perceber que as feridas passadas não foram nada mais que arranhões”. Pagina 31

Quando o professor foi assassinado, em 1987, a lista de suspeitos era pequena, pois ficou comprovado que não teria sido roubo seguido de morte, visto que não foi levado nada de valor da casa; o que até então ninguém sabia era que Richard era apaixonado por Laura e na noite fatídica eles haviam discutido e depois disso Richard havia ido a casa do professor. Richard então passa a ser visto como um dos principais suspeitos do crime e por causa disso, anos mais tarde, decide contar a estória no manuscrito enviado a Peter, numa tentativa de, quem sabe, revelar quem seria o verdadeiro autor do crime.

“Você sabia que nossos cérebros, não conseguem diferenciar ficção da realidade a maior parte do tempo?” Página 30

—-

Quando Peter termina de ler parte do manuscrito sabe que precisa dar continuidade a ele, não por ele ser o livro que venderá milhares de exemplares, mas também porque ele quer saber quem matou Joseph Wieder. O que ele não esperava era que quando fosse atrás de Richard, ele estaria numa cama de hospital à beira da morte e que dias depois morreria sem revelar o “paradeiro” do restante do livro. É então nesse momento que a trama começa a se desenvolver, porque Peter contrata um jornalista investigativo (John Keller) para ir à caça ao livro, e é uma surpresa atrás da outra, pois no meio dessa busca John acaba despertando a atenção de Roy, um ex-detetive que trabalhou na investigação do assassinato.

“Os mortos deviam ser deixados em paz e os vivos deviam seguir com sua vidas.” Página 225

—-

Apesar de o livro ser divido em três partes, ao longo da narrativa nos deparamos com quatros narradores diferentes, todos em primeira pessoa, o que em alguns momentos nos deixa um pouco confusos, pois eles têm praticamente a mesma fala. Provavelmente isso tenha sido uma tática do autor pra prender ainda mais o leitor nas pistas deixadas ao longo dos capítulos e assim chegar ao fim do caso.

O livro dos Espelhos está repleto de mistérios e, quando finalmente descobrimos a verdade, percebemos o quanto a trama é complexa e que realmente faz jus ao título, pois parece mesmo um jogo de espelhos. No entanto, o desfecho pra mim não foi tão surpreendente assim, visto que eu consegui descobrir a verdade com as pistas que o autor foi dando ao longo da narrativa, apesar de eu achar que em alguns momentos ele deixou alguns fatos importantes passar pra nos mostrar só no final (que maldade! Hahaha). Então só comprovei minha teoria e agora sou quase uma detetive agora kkkkkk).

Diante de tudo que foi exposto aqui, SIM, eu recomendaria a leitura de O livro dos Espelhos a todos vocês. Não somente porque a trama é bem escrita, envolvente, com quotes reflexivos e capaz de prender a atenção do leitor logo nas primeiras páginas, mas também pelo fato de a editora ter me conquistado com a maneira carinhosa que enviou esse livro pra gente, o que foi uma surpresa, pois não estávamos esperando.

Bom, eu já dei minha opinião e agora quero saber de vocês: seria mesmo Richard capaz de tamanha brutalidade ou estaria ele apenas “acobertando” alguém importante? Não sei não… me contem vocês.

“Lembranças são como projéteis.

Alguns passam rente e só nos assustam.

Outros abrem um buraco em nós e nos deixam dilacerados.”

Beijos e até a próxima!

Helen Dutra - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2017